da série: dona Etielbina vai para a aldeia [parte I]


Conhecemo-nos há 15 anos. Comprada na Etiel, segundo o meu código ético da época, em parelha com a bicla da Maria, foi nela que voltei ao duro selim e retomei isto de “dar umas pedaladas”. As BTT´s dos anos 90 eram diferentes das actuais, não só na desmultiplicação como na geometria. Para além do seu resistente quadro de alumínio, das rodas MAVIC e grupo SRAM, pouco resta dos seus dotes originais. Aos poucos foi recebendo uns mimos, ganhou diferentes personalidades, mais arrojadas, outras condizentes com as necessidades polivalentes do dono: da estrada ao campo. Foi nela que definitivamente virei um ciclista, fortuito, entusiasta, constante, porque a vida é mais gostosa a pedalar. Com uns requintes de malvadez, fiz dela o meu veículo diário, adaptada a diferentes funções, me manteve em forma e afastou a melancolia dos dias curtos. Juntos fizemos mais de ______ (favor preencher) quilómetros! Sei lá eu quantos! Já nos perdemos, retomamos o caminho, demos memoráveis trambolhões, rimos, conversámos e nos divertimos. Rodava que era uma beleza, mas a idade não perdoa! Devido ao uso e abuso que aqui o je lhe proporcionou, apareceram-lhe as artroses e o reumático. Depois chegaram as outras. Com a entrada em cena das concorrentes, a velha companheira acabou pendurada a um canto na garagem. Os anos foram passando desde a derradeira vez que nela senti o rabo e lá foi ficando, negligenciada, porém guardada. Apenas relembrada numa ocasião para me safar e ser o meu veículo de substituição! Dona Etielbina resistiu, e como recompensa pelos serviços prestados à comunidade, saiu da garagem e da cidade para ir viver na aldeia a reforma dourada a que tem direito.

 

E é então que passados de seis meses em hibernação na clínica, dona Etielbina livrou-se dos salamaleques, ganhou uma camada de pó e transmissão novinha em folha. Ficou impecábel, pronta a botar os pneus na estrada, me levar pelas curvas e contracurvas da vida.

(continua)

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em bicicleta com as etiquetas , , , , , , , , . ligação permanente.

2 respostas a da série: dona Etielbina vai para a aldeia [parte I]

  1. Pingback: da série: dona Etielbina vai para a aldeia [parte I] — na bicicleta | O LADO ESCURO DA LUA

  2. Pingback: da série: dona Etielbina vai para a aldeia [parte II] | na bicicleta

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s