fome de pedalar

 

Com um destino real em mente, vou por onde me dá a real gana. Nenhuma rota previamente traçada, apenas a habitual volta ao bairro. Quase sempre pedalo sozinho e guardo ciumento estes momentos sempre preciosos. É tempo para mim, tempo para os meus pensamentos, tempo que ganho no selim da bicicleta e que combina com este tempo mais agradável. O vento pode soprar forte, a estrada pode inclinar, sei que mais tarde ou mais cedo lhe voltarei costas e passarei a desfrutar do seu impulso, da sua velocidade, deixando que a minha pedalada despreocupada e libertadora role nessa direcção. O “commute” do fim-de-semana é a oportunidade para acelerar, para relaxar e deixar a mente vaguear, sem responsabilidades de qualquer tipo. Pedalar por horas, apenas às voltas, perdido na minha onda, na minha praia. E é particularmente arrebatador o quão depressa o tempo voa, quando me detenho para um gole d’água, para apreciar a paisagem e sacar uma fotografia, quando num relance miro o relógio e me dou conta que a manhã inteira já se passou!…

“Caramba… por isso já estava com fome!”

Anúncios
Publicado em o ciclo perfeiro | Etiquetas , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

reciclando [41] toda a via

Sabendo que estamos muito atrás de outras sociedades europeias no que concerne ao uso da bicicleta, todavia, a cada dia que passa vejo um aumento de ciclistas na cidade. Pessoas a pedalar, tanto nas suas deslocações diárias, no treino, a passear, a turistar, onde o “andar de bicicleta” passou a ser coisa rotineira, no Porto, Gaia e Matosinhos. Há muitos novos ciclistas. Outros há que já o eram mas que entretanto mudaram o chip, dando outro rumo à bicicleta para um uso diário, no dito commute. Uma grande parte dos turistas que nos visitam alugam uma bicicleta e ganham um pretexto para conhecer os pontos quentes, passar a ponte com toda a naturalidade, usufruindo e partilhando das mais belas vistas panorâmicas sobre o Douro.

É uma evidência, os ciclistas urbanos estão presentes e em força nas nossas escassas ciclovias. Alastram-se pelas ruas, mesmo nas mais íngremes, sinuosas e fustigadas vias pela opressão automobilística. A mobilidade urbana reclama condições mais favoráveis ao transporte colectivo e aos modos suaves. Embora os automóveis sejam necessários, é incontestável que quem anda a pé ou pedala uma bicicleta tem a liberdade de enfatizar o valor desse extraordinário veículo na redução da poluição e dos malefícios do congestionamento das cidades. Parece-me necessária a redução da motorização individual, melhorar a rede de transportes públicos e dar mais condições à utilização de bicicletas, pelas óbvias razões ecológicas, económicas e de planeamento urbano. Usando a bicicleta para o transporte permite a liberdade de circular em qualquer lugar, não ter preocupações de estacionamento, tornando o ambiente urbano mais natural com o advento do ciclismo.

Publicado em mobilidade | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

fotocycle [232] o ciclista é um fingidor

“O meu olhar é nítido como um girassol.

Tenho o costume de andar pelas estradas

Olhando para a direita e para a esquerda

e de vez em quando olhando para trás…”

 

de Alberto Caeiro em “O Guardador de Rebanhos”

Publicado em fotocycle | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

a ponte do esquecimento

Vou de regresso a casa e paro para desfrutar desta vista agradável. Sorvo da minha garrafa de água e procuro me refrescar um pouco. O dia está a findar, a brisa é leve mas os níveis do mercúrio continuam bem acima do costume para a estação do ano. O tempo quente e o sol inclemente que me acossa, acompanha o destino da centenária ponte que está ali, silênciosa, bem à minha frente.

Foi em 1877 que o primeiro comboio por ali passou. Se puxar pela imaginação, o eco da sua passagem faria agora ricochete no betão da ponte de São João, que lhe faz companhia vai para mais de um quarto de século. Nessa época, Eiffel ainda não tinha erguido a sua torre, que só assomaria os telhados de Paris 12 anos depois. A Torre Eiffel é o símbolo de uma cidade, de um país, um dos monumentos mais procurados do mundo, uma fonte gigantesca de receitas e um guia inabalável para atrair turistas.

A nossa Dona Maria, estrutura de uma extraordinária leveza, é inexplicavelmente um monumento esquecido, empecilho dispendioso segundo os que nos governam, e mesmo a sua fama, granjeada à custa da sua idade, elegância, e sobretudo da assinatura de quem a concebeu, é-lhe tantas vezes roubada em detrimento da ponte Luíz I, de Teófilo Seyrig.

O Porto Oriental é muitas vezes assim. Esquecido, incompreendido, injustamente desvalorizado. Temos ali uma estrutura valiosíssima, com a assinatura de um nome de importância mundial da arquitectura do ferro, e, por aqui, nem serve de atracção turística. Permanece hirta, exposta ao tempo e aos cliques dos turistas que de barco cruzam sob o seu belo arco metálico. Não tem serventia para nada, nem de apoio à circulação, nem ao serviço das suas cidades. Se não é possível outra adaptação, ferroviária ou rodoviária, porque não fazer dela uma via de circulação pedonal e de bicicletas?

 

Publicado em desafio | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

quando o calor aperta

Diz o calendário que estamos no Verão, mas ao que parece o gajo tem se borrifado prá gente e pirou-se lá prós paises nórdicos. O anticiclone açoreano tem andado por lá a espalhar brazas e a tonificar a cútiz pálida das moças loiras.

Chegamos a Agosto e o calor dá finalmente um ar da sua graça. Para contentamento do pessoal que já está a banhos, e para os que começam agora as férias, os termómetros vão bater no vermelho. Os bombeiros e os velhinhos que se lixem.

O estio é para todos, mesmo para aqueles que trabalham e não podem estender a toalha na piscina, à beira mar debaixo de um guarda-sol.  A anunciada onda de calor, qual vaga de migrantes oriundos do norte de Africa, já se faz sentir. As poeiras do deserto vêm logo a seguir.

O fenómeno das altas temperatura não é de agora, são ciclos naturais que se repetem ao longo dos anos, e quando os incêndios fustigarem de novo o nosso país cá estarão os especialistas tudólogos cá do burgo prontos para incendiar as hostes.

Bem, mas sendo este um blogue dedicado à bicicleta e ao pessoal que lhes dá uso, cá vão umas dicas quentes e boas.

Com sol forte e calor de derreter a alma, o ciclista não tem ar-condicionado mas tem a possibilidade de pedalar ao ar livre, ir pela sombra, parar e se refrescar numa esplanada à beira rio. É claro que isto sou eu pr’aqui a reinar, mofado na estufa deste gabinete enquanto miro o relógio e vou contando os minutos para me pôr na alheta. Quando despegar daqui, vou pegar na bicla e ir direitinho à barraca de praia.

É quando o calor aperta que mais gosto de pedalar por ali, nas calmas, por um caminho mais longo e saboroso no regresso a casa. Isto meus amigos é qu’é qualidade de vida.

Pedalar debaixo do sol forte e um calor sufocante não é o ideal, mas algumas vezes é inevitável. O melhor é não exagerar. Chapéus… há muitos, e um capacete bem esburacado ajuda a arejar ao mesmo tempo que te protege a moleirinha do sol.

Espalhar camadas de protector solar na pele descoberta é sempre uma boa ideia. Mas já sabes, ciclista que é ciclista gosta de exibir o seu bronzeado à ciclista. Se puderes pedalar por caminhos arborizados melhor ainda, não só por que te livra dos raios ultra-violetas mas também porque a brisa tende a ser mais fresca. Podendo, leva uma abençoada garrafa de água. Hidratar bem, antes e durante as pedaladas, é essencial.

Considerando os inconvenientes do calor, pedala com calma e aproveita as descidas, mais do que as subidas. Se tiveres a possibilidade de mudar de roupa no trabalho, não abdiques de usar roupa de licra, daquelas que os “prós” costumam usar. Para além de serem muito confortáveis absorvem o suor do corpo e secam mais depressa.

Ah… e faz um pit stop sempre que sintas necessidade de te hidratar, e de ingerir suplementos alimentares, como tremoços.

* post patrocinado pela Super Bock e pelo grupo da sueca da barraca / esplanada na Rua do Ouro

 

Prontes, assim de repente são as dicas que me lembro. Agora vou me pôr ao fresco.

Publicado em motivação | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

… do tipo assolapada

É só minha, a minha bicicleta
Companheira, amiga e sedutora
Não posso resistir que assim seja
Juntos, em movimento, pelo mundo fora

Aos meus olhos a mais bela e atraente
Com seu quadro básico e elegante
Desde que a vi não mais sou o mesmo
Possuí-la é uma emoção emocionante

Voando, nela pedalo sem pressa
Com a sua mecânica simples e perfeita
No asfalto, na terra ou rua pavimentada
Planando e subindo na minha eleita

Sobrevoar o trânsito
Fugir à poluição
Libertar a mente
Espantar o peão

Me leva para a praça, para o rio e para o mar
Pelo parque, às compras, para ir trabalhar
À chuva e ao vento com um sorriso na cara
É receita, terapia, a droga que me sara

A levo para casa e subo o elevador
A penduro na parede, comigo sempre ao redor
Velocípede, que maravilhosa invenção
A minha bicicleta, que grande paixão…

o problema,
é que não sei qual,
portantos,
desejo todas por igual 🙂

Publicado em o ciclo perfeiro | Etiquetas , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

em vez do automóvel, a bicicleta

Optar pela bicicleta para a mobilidade na cidade, para ir e vir do trabalho, para os afazeres diários, para um passeio lúdico ou um treino físico, tem se tornado mais popular entre as pessoas. Há muito boas razões para que eu possa recomendar e essas razões são tão variadas quanto os tipos de ciclistas e bicicletas existem no mundo.

Apesar de algumas dificuldades enfrentadas pelos ciclistas, os bons exemplos multiplicam-se a cada dia. É o caso aqui do vosso amigo. Na minha saudável rotina, todos os dias deixo o popó estacionado à porta de casa (não é o da foto mas gostaria que fosse) e saio a pedalar uma das minhas biclas para o trabalho no centro da cidade. A minha residência fica distante cerca de quatro quilómetros do emprego e, para chegar ao serviço, levo aproximadamente 15 minutos. “Se eu fosse fazer o percurso de carro levaria mais tempo”.

O uso da bicicleta tem muitos outros benefícios e é exactamente isso que testemunho por malta que também opta pelas pedaladas. A escolha da bicicleta para a mobilidade melhora a saúde, o bem-estar e a qualidade de vida. Pedalar uma bicicleta nas rotinas diárias é uma forma de economizar. É um carro a menos que circula e isso pode contribuir para o meio ambiente. O número de automóveis a circular nas cidades aumentou muito e pedalar tem se tornado uma alternativa importante.

De qualquer forma, não digo que um tipo pegue numa bicicleta e se torne automaticamente num mestre zen. Na rua temos que lidar com os peões, automobilistas, subidas, furos e outros ciclistas, no entanto, comparar isso a ter que suportar horas de seca ao volante, viajar de pé no autocarro, no comboio, ou ser empurrado para entrar no metro nas horas de ponta, a nossa bicicleta permite que viajemos ao nosso próprio ritmo e escolher o nosso caminho.

Mas esta minha opção não é compreendida por algumas pessoas. Também acredito que não fossem algumas dificuldades muitas outras pessoas fariam como eu. Argumentam que não existem ciclovias suficientes na cidade e as poucas que existem apresentam imensos defeitos. Outra dificuldade apontada é a falta de estacionamento para bicicletas. Realmente circular de bicicleta nas estradas e ruas entre os veículos motorizados pode se tornar uma aventura, mesmo assim a pedalada vale a pena. Se rolares entre 5 a 10 km por dia, informo que é muito provável que a bicicleta é o meio de transporte que te levará mais rápido ao seu destino.

Depois já sabemos que no selim da bicicleta podemos desfrutar da paisagem, a partir de uma perspectiva privilegiada, e reconhecer lugares que de carro é de todo impossivel perceber. O carro em si é uma bolha, que supostamente visa proteger, mas, ao mesmo tempo, isola tudo à nossa volta, e nesse isolamento não vamos notar muitos detalhes bonitos das nossas cidades.

Boas pedaladas.

Publicado em 1 carro a menos | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

fotocycle [231] a liberdade e o tempo

Diariamente vadio pela minha cidade no selim da minha bicicleta. Não há vidros fumados, interior climatizado ou cromos da rádio. Entre a sinfonia de ruídos urbanos e o vento nas fuças, ouço conversas, risos e espirros. Sente-se o cheiro da chuva na terra, dos charmes perfumes e das sardinhas assadas. Com o corpo em movimento, quase todos os sentidos são seduzidos. Descubro os pontos turísticos, as expressões nos rostos e os confins do horizonte. É das mais simples e agradáveis formas de explorar a cidade, especialmente a que amamos. Aproveito cada momento.

Publicado em fotocycle | Etiquetas , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

reciclando [40] furos e remendos – revisão da matéria dada

Eu já nem me lembrava da última vez que tive de vergar a mola à beira da estrada para trocar a câmara de ar a uma das minhas binas.

Sorte, ou talvez não, foi na volta doméstica do sábado passado que tive honras do primeiro furo de 2018.

Sorte, ou talvez não, subitamente o pneu perdeu o ar da sua graça depois de pisar o chão esburacado da avenida dos frondosos plátanos e dos chalés e solares antigos da Praia da Granja.

Contabilizados que estão quase cinco mil quilómetros de pedalada na conta corrente do eStrava, do corrente ano 2018 de sua graça, o facto de ter pisado tanto chão sem um furinho para amostra não tem só a ver com a sorte, mas também com a opção dos últimos espécimes de borracha preta. Schwalbe de seu nome tem sido a minha escolha, mais que acertada.

Posto isto, e posta a roda em su sítio, lembrei-me de remecher nos arquivos deste mofado blogue para uma revisão da matéria dada, no que a furos e remendos diz respeito, reciclando este postal educativo.

 

“Oh pai, o pneu da minha bicla furou! Posso levar a bicicleta da mãe?”

O telefonema já me prevenia que mais tarde iria despender uns minutinhos de puro entretenimento. Em casa dei conta que estava em rotura de stock, no que a câmaras-de-ar virgens dizia respeito, e aproveitei para reciclar a câmara furada, tirar umas fotos à operação e reciclar também uma resma de dicas sobre um assunto que é sempre chato.

kit anti-furo
Consoante a possibilidade e necessidade, vira a bicicleta de rodas para o ar, só porque pode dar jeito e facilitar a operação. Neste caso foi a da frente, a mais fácil de tirar, o que para o efeito apenas desapertei o aperto rápido. Se porventura as rodas estiveram apertadas com um parafuso, terás de estar munido com a respectiva chave inglesa. Outro pormenor é aliviar os travões. No caso, a bicla como tem V-brakes foi necessário soltar os braços que sustentam as pastilhas do travão. Com a roda fora e um jogo de alavancas de pneus, retirei o pneu do aro, parte por parte, até que um dos lados do pneu ficou solto do aro. Depois de sacar a câmara é bom não esquecer de tactear a parte interior do pneu, pois o causador da massada, um espinho, um caco de vidro ou de plástico, pode ainda estar lá e voltar a causar danos. Caso encontres alguma coisa roga-lhe uma praga e atira-o para bem longe.

remendo lindooo
Com a câmara cá fora e a bomba na mão, é dar umas bombadas de ar lá para dentro para encontrar o furo. Quase sempre se encontra com facilidade mas o velho truque de mergulhar a câmara em água e procurar a fuga pelas bolhinhas é infalível. Faz uma marca sobre o orifício e depois raspa com lixa até deixares de ver a marca. A finalidade de lixar é deixar a borracha rugosa para mais facilmente fixar a cola que se vai aplicar logo em seguida. Aplicada uma generosa dose de cola em cima e à volta do furo, numa área maior do que o remendo que irá aplicar, deixa-a secar um pouco. Aplica também um pouco de cola na parte interior do remendo e coloca-o sobre o furo, pressionando com firmeza durante alguns minutos.

pump up the volume
Antes de voltares a colocar o pneu é aconselhável que verifiques também o aro e a fita de protecção, assim como dar outra apalpadela no interior do pneu de modo a não haver nada esquecido lá dentro. Volta a inserir a câmara no pneu, introduzindo primeiro a válvula no orifício do aro. Depois, bombeia um pouco de ar na câmara, apenas o suficiente para dares um ajuste do pneu no interior do aro com os dedos e certifica-te que a câmara não ficou torcida ou trilhada. Volta a colocar a roda na forqueta, ajusta a patilha do aperto rápido e o travão. Finalmente enche o pneu na pressão indicada e, caso tenhas vontade, sai e vai dar umas valentes pedaladas de satisfação.

Publicado em uma boa ideia | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

fotocycle [230] momento zen

… aqui o menino idolatra a sua bicla, a boa vida e a calma vastidão do oceano. Um refugio para o bulício enervado da urbanidade. Na bicicleta aproveito cada momento.

Publicado em motivação | Etiquetas , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário