“ó pai, emprestas-me a tua bicicleta?”

O sonho de muitos jovens é chegar o dia em que pela primeira vez conduzirão livremente um automóvel. Muitas vezes pedem o carro aos pais, argumentam que querem dar apenas uma voltinha, levar os amigos à discoteca ou a namorada ao cinema. É certo e sabidinho que esse dia chegará, mas felizmente não é, ainda, este o caso, até que para tal os seus 16 anos não o habilitam a sequer sonhar. Ora como o meu filho apenas depende de uma bicicleta para se deslocar nos seus afazeres, e porque, por circunstâncias várias, a sua bicicleta ficou guardada longe, na casa dos avós, para que fosse ao treino de judo o Rafa pediu-me a Etielbina emprestada. Pois cá o je, qual pai babado, atendeu ao seu pedido, baixou o selim da bina e emprestou-lhe a chave do cadeado com todo o gosto.

 

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em 1 carro a menos com as etiquetas , , . ligação permanente.

Uma resposta a “ó pai, emprestas-me a tua bicicleta?”

  1. Pingback: da série: dona Etielbina vai para a aldeia [parte I] | na bicicleta

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s