e agora deu-me pra isto!

Há dias, quando levei a Etielbina à clínica de reabilitação, conversa vai, conversa vem, perguntei ao entendido na matéria o que poderia fazer para rejuvenescer o velho quadro da minha escrava. É um quadro de alumínio 7005, revestido com uma grossa camada de verniz. Sempre gostei da cor metálica, tipo cromado baço, que o alumínio lhe confere, mas com o tempo o verniz foi-se autodecapando e ultimamente cada vez mais se notavam as rugas da velhice. O que me ocorreria então fazer, era encontrar alguém que tivesse prática na restauração de bicicletas e realizar um peeling à velha carcaça. Já eu fazia contas a despesas e possíveis demoras do servicinho, quando o Sr. Barbosa me contou o que um amigo fez com uma bicicleta da mesma raça. E porque não, fiquei então a pensar. A pensar na dica e na empresa em que teria de me meter. E esta semana meti as duas mãos ao trabalho e realizei eu mesmo a operação plástica. Segundo o especialista precisaria apenas de um instrumento de cirurgia, uma escova de palha d’aço, para eliminar qualquer vestigio de verniz. Para além de duas esponjas de aço de cozinha, recorri a uma chave de umbrako e aos poucos acrescentei doses maciças de paciência à receita. Desmanchei o que mais pude da bicha, raspei-a da forqueta à escora e deixei-a tão lisinha como o mons púbis de uma brasileirinha. Provavelmente com o tempo aquele aspecto limpinho do alumínio escovado irá oxidar e escurecer, mas acho que valeu bem o esforço e apreciei bastante o resultado final da minha dedicação. O mesmo não poderei dizer do escaldão que dolorosamente o sol me gravou nas costas mas que disfarçou ligeiramente as cyclist’s tan lines que tenho conseguido nestas recentes pedaladas estivais.

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em bicicleta com as etiquetas , . ligação permanente.

Uma resposta a e agora deu-me pra isto!

  1. Pingback: da série: dona Etielbina vai para a aldeia [parte I] | na bicicleta

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s