no L’Antique 200

Le Antique 1

Bastaria sair a pedalar em grupo pelo Norte e arredores, mas a oportunidade de participar sem grandes custos num BRM para todos nós desconhecido, menos para o Fernando, randonneur de muitos brevets, foi um novo desafio ao qual não resistimos. Para mim era mais uma dessas extensas etapas de largas horas sentado no selim a pedalar, mas esta teria outros condimentos bem mais apetecíveis.

Le Antique 4

E assim, sete amigalhaços que se conheceram nisto das biclas, lá se juntaram e foram num comboio regional, madrugada afora, para Vila Franca de Xira participar no L’Antique 200, organizado pelos Randonneurs Portugal. Tal como disse o Fernando “obnibulados por uma noite de comboio… mas a hora biológica e o frisson da partida fizeram esquecer o pormenor do sono”, foi sem pregar olho a noite inteira que bem cedinho chegamos a Vila Franca para o depart. Depois de engolir o pequeno-almoço, aliviar o peso do carrego, que o Jacinto bem agradeceu, foi vestir à pressa o equipamento, fazer o brieffing, e lá fomos pedalar como se não houvesse amanhã….

Le Antique 3

Pedalou-se depressa, devagar, ainda mais devagar, allure libre, paramos muitas vezes, nos postos de controlo, outras vezes no meio da estrada para tirar fotografias ou simplesmente para olhar à volta, relaxar as pernas e trincar uma bucha. É claro que depois, para recuperar tempo, pedalamos depressa, numa velocidade muito superior às anteriores. Com o Tiago a fazer de lebre, foi de tirar o fôlego.

Le Antique 8A última vez que tinha vagueado pelo Ribatejo foi há coisa de 25 anos, andava eu a marchar no quartel de Tancos. Desejando voltar a um dos meus lugares míticos, rever o Tejo, o calor do sol a entrar nos vales, cenários de cortar a respiração, sensações únicas das mais belas paisagens do país, o melhor pretexto foi pedalar por estradas ensolaradas e rolantes da planície ribatejana. A minha expectativa de passar por lá era muito grande, já que durante uma fase marcante da minha vida ali andei a marcar passo. Foi difícil reconhecer o quartel, ao abandono, rendido à passagem dos anos. Parei e prostrei-me em frente à porta de armas, de onde outrora costumava sair nas “berliets” de goela seca, e acreditei, enfim, que estava ali. De bicicleta!

Le Antique 2

O sol de inverno e a boa companhia foram o antídoto perfeito para combater o forte vento vindo de Norte e que constante nos batia na cara. Estorvava o empenho mas não buliu a vontade. Se eu podia levar uma bicicleta mais amiga dos meus joelhos? Podia, mas não seria a mesma coisa! Sendo um brevet condizente em trazer à memória o espírito e as condições que os Randonneurs do início do sec. XX tinham de superar quando pedalavam para longe, só mesmo na Alteza estaria ao nível de tal aventura. E um furo, na recta final, no breu da noite, reparado  com a prestimosa ajuda do Victor, veio ainda acrescentar mais emoção ao acontecimento.

Le Antique 11

Nesta viagem, nós adicionamos uma terceira roda, por assim dizer: o espírito de grupo. Em todo o caminho estivemos juntos. Foi, possivelmente, um dos passeios mais interessantes que já pedalei. Antigas estradas com  longos quilómetros de alcatrão esburacado, pavimentadas de terra batida, lamacentas, e depois uma prova clássica sem pavé não é clássica. Resumidamente, uns bons quilómetros a sentir os dentes e o esqueleto a ranger. As estradas são tranquilas, em grande parte do percurso, excepto em alguns trechos de estradas nacionais, compensados ao atravessar pacatas vilas onde a bicicleta é parte do cenário, fundamental modo de vida.

Le Antique 12

Veículos privados de duas rodas que são deixados no descanso, na borda do passeio, encostadas à porta de casa, de uma forma tão natural que até dá inveja. Crianças, mulheres e homens que   embalados pedalam de um lado e para o outro, sorrindo a quem passa, acenando e cumprimentando, guiando com uma mão enquanto na outra, firme, se segura uma garrafa do mais puro néctar.

Le Antique 5

A rota levou-nos de Vila Franca de Xira a Santarém, Golegã, Vila Nova da Barquinha, Tancos, Constância, meia volta e força, para a banda sul do Tejo por Chamusca, Alpiarça, Porto de Muge, de novo para a margem norte do rio e o percurso inverso até Vila Franca de Xira. Um total de 211 km (fora os que se fizeram a mais à custa de um ou outro desvio acidental de percurso), lugares com significado histórico, caminhos, bicicletas, chuviscos, sol, lezírias, vento, caminhos, quintas, memórias, castelo, pontes, noite, estrelas, luzes, frio, obstáculos, pontes, carros, comboios… pelo simples prazer de pedalar.

Le Antique 7

O regresso ao Porto fez-se no dia seguinte, de comboio, claro está, aliás, em quatro comboios, pois a necessidade de transportar bicicletas obriga-nos a recorrer às composições de serviço regional e ao transbordo, como se fizéssemos uma viagem intercontinental, o que só complica mas que não esmorece a nossa caturrice. Venha de lá o próximo.

foto do Ricardo

foto do Ricardo

Mais crónicas do L’Antique do Ricardo, do Hélder e no Usaralho

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em marcas do selim com as etiquetas , , , , , , , . ligação permanente.

8 respostas a no L’Antique 200

  1. Anónimo diz:

    Olá Paulo,

    relato inspirador ainda por cima na minha região, o tom nostálgico deixou-me com arrepios.

    Venho o próximo para eu partipicar (já comecei a tratar da papelada)

    um abraço
    boas pedaladas
    José Mota

    Gostar

  2. Pingback: ciclofilia [75] Cinelli Bootleg Tour d’Afrique 2013 | na bicicleta

  3. Pingback: essa máquina surpreendente chamada bicicleta | na bicicleta

  4. Pingback: o apelo da estrada | na bicicleta

  5. Pingback: no Baixo Minho e Barroso (um empeno jeitoso) | na bicicleta

  6. Pingback: a debutante | na bicicleta

  7. Pingback: crónica – L’ Antique 200, versão 2015 | na bicicleta

  8. Pingback: prazeres simples | na bicicleta

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s