um passeio de Domingo

Talvez por não haver muita gente na rua ao nascer do sol de um Domingo, é daqueles instantes em que dá mais gozo pedalar. Um momento místico, se assim se pode dizer, no ritmo das pedaladas, no frio que vai desaparecendo do corpo e da realidade, do dia que ganhando contornos luminosos, acordando a cidade e transformando-a num cenário provável. O sol desponta no horizonte, no rio e dá-nos os bons dias, iguais a tantos outros. As padarias começam a expelir os primeiros aromas da manhã, da mesma forma que os pássaros parecem nos cumprimentar. A estrada, como tantas outras coisas, surge sempre com sacrifício. Contudo, no sacrifício também há o prazer de pedalar.

O Homem-máquina, metade combinação complexa de articulações e músculos, a outra é uma bicicleta. Uma delas é infinitamente ajustável e adaptável, o outro é um ciclista. O ideal é uma união perfeita entre as duas entidades separadas, actuando em harmonia e vontade, excepto a realidade geralmente desigual, que envolve joelhos sólidos, costas doloridas e ombros queixosos.

É que para contradizer a ordem natural das coisas, num desvio imprevisto e um atalho mal calculado, um pequeno trambolhão deixou-me um tanto ou quanto combalido. Deve ter sido da falta de café! Do resto, o mesmo percurso, o mesmo destino e o pneu furado da praxe. Metaforizando a razão deste blogue, todos os caminhos que elegemos percorrer somos nós que escolhemos. A opção é certa, a dúvida é capciosa.

Ao longo da estrada, em muitos locais por onde passamos, muita bicicleta, representando a independência, a liberdade e um modo de vida. Sofrendo com o encontro da subida, empurrando a bicicleta ao longo da vida, treme-lhes a mão a cada sensação e constante movimento. Ouço os sons das pessoas a interagirem com as máquinas como sons de urgência, transpirando a terra endurecida e conhecida como o tempo. Do nada, um motor rosna, tenso, ameaçador à distância. Nada lhes impede o progresso, apenas a firme e perfeita intenção de manter uma linha reta. Tal como nós.

A objectiva do meu telemóvel não é grande coisa, e mesmo a ter de segurar um guiador e pedalar não consegui resistir a tirar fotos do que fui vendo enquanto faziamos mais um passeio audacioso até Fátima.

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em marcas do selim com as etiquetas , , , , , , , , . ligação permanente.

3 respostas a um passeio de Domingo

  1. Pingback: uma verdadeira agência de viagens, mas das “de borla”, só à custa das pernocas… | na bicicleta

  2. Pingback: no L’Antique 200 | na bicicleta

  3. Pingback: modo férias | na bicicleta

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Alterar )

Connecting to %s