can’t miss [202] publico.pt

Mesmo sem previamente ter solicitado autorização ao autor do texto, Abel Coentrão, transcrevo na mesma, na integra, o excelente artigo de opinião publicado na edição do Publico P3 de segunda-feira, 3 de junho passado.

Bicicleta, uma arma para a democracia urbana

Diz o calendário que dia 3 de Junho é Dia Mundial da Bicicleta. Em Portugal, ou nas cidades portuguesas, não é ainda. Vai começando a ser, à medida que alguns autarcas, numa corrida não isenta de opções técnicas erradas, se atiram a cicloviar (desculpa-me o verbo inventado), as ruas que, nas últimas décadas, deixamos que fossem transformadas em estradas. O país está naquela fase em que se estranha, e até entranhar, vamos ter de nos habituar a levar com a ignorância de quem, desconhecendo o código, ainda acha que um ciclista deve baixar do seu veículo para atravessar a pé uma passagem para velocípedes devidamente assinalada. Um acto que pode dar multa pois nenhum peão, que é o que somos, de bicicleta na mão, deveria atravessar ali.

A morte é, para já, eterna, a ignorância pode não ser, se a quisermos combater. E o mesmo acontece à mudança, que só não acontece a quem não se predispuser a ela. Em Setembro do ano passado, nas vésperas do Dia Europeu Sem carros, entregámos, lá em casa, um automóvel para abate, ficamos com outro, e comprámos, para as deslocações que fazíamos sozinhos, e sem os filhos, uma bicicleta. Que poderia ser convencional, mas é eléctrica, para colmatar as debilidades de uma deficiência física que me acompanha desde que nasci.

Portugal está quase a ver publicada a Estratégia Nacional para a Mobilidade Activa 2020-2030, que pressupõe uma inversão de prioridades na forma como nos deslocamos. Diz a nossa estatística doméstica, comum à de muitas casas por essas cidades fora, que deixámos de ter dois carros parados 95% do tempo na estação de metro de onde seguimos, 30 quilómetros em transporte público, para o trabalho. Passamos a ter um, com um uso mais racional, está bom de ver. O utilitário que abatemos conseguia a proeza de estar 100% parado na maior parte dos fins-de-semana. E nunca nos tínhamos questionado sobre isso.

Entretanto, como desejávamos, vendemos uma casa num espaço periurbano, onde essa dependência do automóvel me incomodava o espírito de poluidor em remissão e, principalmente, um ombro direito, sobrecarregado, na condução, pela debilidade do esquerdo. E como, com um ombro a latejar, escrever se torna tarefa impossível, preservar o instrumento do meu trabalho enquanto jornalista parecia-nos razão suficiente para deixar para trás uma casa de sonho. Sem deixar de sonhar.

Há um mês deixámos assim uma casa com áreas generosas e cheia de boas memórias, e fomos para um apartamento, grande, mas muito menos espaçoso, claro, quase no centro da cidade ao lado. A cadela estranhou, todos estranhamos, mas, por motivos vários, já conseguimos entranhar a mudança. E um desses motivos é a mobilidade. Se antes estávamos a 3,5 quilómetros do comboio, agora vemo-lo da varanda, e quase dá para gritar que esperem por nós, se nos atrasarmos. E se a pé tínhamos só um mini-mercado, agora, num raio de cinco minutos, temos todas as opções, em modo comércio local.

Mas a melhor surpresa antecipámo-la no primeiro dia, em que, enquanto nos entretínhamos a carregar caixas e caixas, na rua funcionários da autarquia pintavam símbolos de bicicletas na faixa de rodagem, junto à berma.

Estranhámos o presente, sabendo que não tinha anunciado, ao município da Póvoa de Varzim – cujo presidente vai de bicicleta para o local de trabalho – que íamos mudar-nos para ali. Uma das minhas vizinhas, que gere uma loja no prédio, estranhou também, e, num interessante debate entre quase desconhecidos, aceitou ser convencida do erro em que enformava o seu raciocínio. A vizinha reclamava que os seus clientes já não teriam um sítio para estacionar. E eu, que atravessara de carro aquela rua algumas vezes, perguntei-lhe se ela alguma vez tinha reflectido no facto de essa fila de carros ali parada, tapando, agora, as bicicletas desenhadas no chão, obrigar os automobilistas a descer a rua em contramão, em clara infracção.

Desenhar bicicletas no piso de uma estrada onde não há uma via dedicada para ciclistas parece um desperdício de recursos. E será, no dia em que todos percebermos que uma bicicleta, ou velocípede, no jargão do Código da Estrada, é um veículo com praticamente os mesmos direitos e deveres dos restantes. Nesse dia, as bicicletas pintadas na faixa de rodagem das ruas das nossas cidades servirão, quando muito, para lembrar àqueles que julgam que, sendo de todos, a estrada é basicamente sua, que há mais quem precise daquele espaço; e que o Estado não tem de investir na criação de um número infinito de lugares de estacionamento.

As mesmas pessoas que reclamam por um sítio para estacionar o segundo ou terceiro carro que já não cabe na garagem, ou que compram um único automóvel mas esperam que a câmara – nós todos – assuma o preço do espaço para o estacionar na rua são, não raras vezes, as mesmas que reclamam pela introdução dos limites de 30 km/h. São, não raras vezes, as que se queixam das passadeiras elevadas que lhes “estragam” as suspensões. São, no fundo, as que acham que a cidade deve fazer tudo para facilitar a sua existência enquanto automobilistas, esquecendo o quanto estas medidas impactam, positivamente, na nossa vida, a deles incluída, sempre que assumimos o papel de peões e de ciclistas.

Depois de uma época em que se estreitaram passeios e até derrubaram árvores para arranjar mais espaço para carros parados ou em andamento, em nome de uma certa ideia de fluidez, muitos dos nossos autarcas, mesmo os que raramente andam a pé ou de bicicleta, já perceberam que poderão não perder muitos votos – e até ganhar alguns de onde não esperavam – se responderem positivamente àqueles para quem se tornou urgente uma outra revolução: as nossas estradas têm de voltar a ser ruas – com ou sem carros – mas acima de tudo espaços onde seja seguro circular em modos activos, ou suaves como também se diz.

Esta é uma questão de saúde pública, de ambiente, mas também de sociabilidade e democracia. O espaço público não pode ser um quase-exclusivo de quem tem o dinheiro ou o crédito, ou a idade para ter um automóvel. E para respirar ar puro não deve ser necessário andar quilómetros até ao parque urbano mais próximo. Qualquer sociedade poderia impor esta agenda andando mais a pé – ou protestando pelo direito a fazê-lo em segurança­ – mas a bicicleta tem uma vantagem óbvia. Ao disputar directamente espaço ao carro particular, ela é uma arma com um potencial enorme para tornar evidente a ditadura do automóvel em que (ainda) vivemos, com as consequências nefastas em termos de sinistralidade rodoviária que bem conhecemos.

Essa ditadura está bem patente quando um automobilista, com a arrogância insuflada pela ignorância, mostra, de viva voz, que pára por favor na estrada para um ciclista atravessar onde a lei diz que o deve fazer sem sair do seu veículo. Enquanto houver gente a comportar-se assim, olhando de cima para quem lhe vem roubar um privilégio, a bicicleta tem que ser celebrada, como coisa estranha que ainda é. Porque temos o direito a sonhar por um país em que a democracia chegue também ao espaço público.

(fonte: www.publico.pt)

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em can't miss it com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s