uma ferburinha

Isto de dar preferência ao pedal em vez de andar de cú tremido com o volante na mão, dá-me para o alheamento e descuido no que a prazos de validade diz respeito. A bicicleta rejuvenesce-me, pronto. Com a chegada aos cinquentas, manda a Lei renovar a carta de condução, caso estejamos habilitados para tal, independentemente da data de caducidade que lá esteja escarrapachada. Resumindo, há mais de 4 meses que andava com a carta caducada e cheio de sorte por não ter sido multado. Recordando-me do martírio burocrático aquando da última revalidação, antevia novo inferno aos balcões do IMTT. Estava feito ao bife… Mas não! Seguindo uma boa dica, foi no Espaço no Cidadão do Gabinete do Munícipe da CMP que revalidei a carta de condução, mais rápido do que chegar de bicla ao trabalho, ou seja, fui despachado em menos de quinze minutos, uma ferburinha!

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em ele há coisas! com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s