a terceira via

Já que S. Pedro tem andado distraído, e antes que dê conta que estamos em pleno Outono, nada melhor que aproveitar estes finais de tarde apetecíveis e dar umas pedaladas mais prolongadas, mesmo que seja só para um “vou ali e já venho”, onde o “ali” é na Praia da Madalena e o “venho” seja acompanhado do pôr-do-sol e do sabor a maresia. Assim, terminado o expediente e após desempenhar a sua função, deixei a fiel utilitária descansar, troquei de fato-macaco e dei a vez à levezinha para que a cadência das pedaladas tivesse um ritmo diferente.

Ora bem, no regresso a casa optei por pedalar pela Avenida da Boavista e deu-me para testar a “requalificada” pista da Avenida. Então, aquilo que a CMP anunciava a 30 de Maio: “a primeira parte das obras de requalificação da Avenida da Boavista, entre o Castelo do Queijo e a Rua António Aroso, estão praticamente concluídas”, resume-se, neste momento, a um tapete avermelhado, enfaixado por floreiras e canteiros cheios de terra. E a “qualquer-coisa-via” segue segregada Avenida acima,  cortada entretanto pelo cruzamento com a Rua de Malaca.

Mais à frente, numa área reservada a futuras derrapagens de cavalos potência, a “qualquer-coisa-via” muda-se para o outro lado, seguindo o seu traçado a régua e esquadro. Às tantas lembrei-me: “E se entretanto alguém quiser sair daqui? Como fará?”.

Bom, a não ser que pedale até ao fim e depois volte para trás, pelo passeio, a única solução é galgar com a bicla às costas as caixas que supostamente irão conter flores e atravessar a auto-estrada, rezando para que os carros circulem, pelos menos, dentro do limite de velocidade. Mas não saí. A foto foi apenas para mostrar a pernoca e dali continuei a pedalar até aqui:

E o aqui ainda está um bocadinho, quer dizer, um bocadão, longe do acolá, ou seja da Rua António Aroso!

A ver então se Santa Engrácia não terá também patrocionado a CMP nesta obra!

Mapa do percurso

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em ele há coisas! com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

4 respostas a a terceira via

  1. Hugo diz:

    Agora já dá para ir sempre em frente “segregado” pelos canteiros até se chegar ao corredor de relva. Aí acaba a brincadeira.

    Gostar

  2. Pingback: na “ciclovia” | na bicicleta

  3. Pingback: can’t miss [44] bicicletanoporto.blogspot.pt | na bicicleta

  4. Pingback: do busílis a questão, e porque não uma “bia berde” para bicicletas!? | na bicicleta

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s