sempre a meter àgua

Sempre que o vento sopra irado e trespassa o arco metaliforme da ponte, faz-me supor a perversa tentação que por aí vem. Como um menino traquinas que espia a catraia no meio da maralha, a tímida fotografia tirada do outro lado do rio tem um certo grau bisbilhoteiro.

Vista daqui, a cidade rebelde e apertada, onde os telhados ocres se encavalitam na confusão, tem sempre diferentes formas de me surpreender. Travestindo-se, assemelha-se a uma velha rabugenta no rumor que perpassa por entre o casario, através do seu semblante severo. – Põe-te a andar daqui p’ra fora, senão…!

As ameaçadoras nuvens, cinzentas, vêm atestadas de água vinda do mar, cujo pranto se antevê abundante ao primeiro ribombar do trovão… Iludindo-me através do reflexo no lençol, dramatizo o quadro que aqui reproduzo. Aperto o gasganete com o fecho do agasalho hermético e deixo cair o inspirador sonho. – Sim, é melhor começar a dar ao pedal!

Vou agora ao despique com a vagarosa corrente do rio que é feito de ouro. Aligeiro a pedalada rumo à agitação salgada do mar. O vento frio colora-me as bochechas, enquanto o poderoso Atlântico se aproxima decididamente do meu nariz. A morrinha salpica-me a face como se estivesse na proa elevada de uma heróica embarcação. As gotas suspensas aglomeram-se, densas e compactas como que formando um corpo só, prontas a saltar borda fora.

E depois de superadas as batidas fortes do vento de sul, a turva orla marítima entre o Cabedelo e a Madalena, passo o portão, encosto a bicla à parede e recebo as boas vindas de um pai embevecido pelo regresso do filho pródigo… – Tu és maluco, vires de bicicleta com este temporal?! Vai já trocar essa roupa…

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em o ciclo perfeiro com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Uma resposta a sempre a meter àgua

  1. As aventuras de infância tinham mais “sabor” e peso, quando terminavam com um ralhete e, talvez… até com um lanchinho saboroso na mesa, preparado pela mãe.
    Este post mostra exactamente essa eterna forma de amar dos pais!

    Muito bom texto e post!

    Liked by 1 person

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s