porque as férias nunca são grandes, são boas!…

Mesão Frio - Santa Cristina (N108)

Mesão Frio – Santa Cristina (N108)

Nos idos tempos da escola primária, toda vez que voltávamos à classe a senhora professora pedia que fizéssemos uma redacção composição: “As Minhas Férias”. Sim, meus amigos, sou do tempo em que redacção ainda se chamava composição. Quando as férias eram passadas em casa, na cidade, era sempre a mesma ladainha: acordar tarde, passar a tarde a jogar à bola e, sempre que nos era permitido, as voltas de bicicleta não eram muito prolongadas. Mas quando a gente, e essa gente era eu e o meu irmão, íamos para as aldeias dos nossos avós aí a composição já tinha um texto mais apelativo: acordávamos com as galinhas, brincávamos nos campos, comíamos fruta das árvores, e voltávamos todos sujos, tomávamos banho nas águas límpidas do ribeiro, e voltávamos todos queimados, felizes com muito para contar. Só que lá não tínhamos bicicletas! Os bichos eram outros. E este relambório todo só para contar que repeti de bicicleta um percurso que dantes fazia de carro ou comboio, quando ia às aldeias dos meus avós. Assim, em três dias de puro cicloturismo, desta vez na companhia dos meus amigos Jacinto e Alex, fomos a pedalar até Mós, terra natal do meu pai, em Freixo de Numão, Vila Nova de Foz Côa, passando, na ida e na volta, pelo Lugar do Castelo, terra natal de minha mãe, em Frende, Baião. São cerca de quatrocentos quilómetros, grande parte dos quais ao longo das margens do Rio Douro, ora subindo e descendo montes, ora atravessando vales floridos, pelas míticas estradas nacionais 108, 222 e 324. Concluindo a minha composição, curti bastante estas férias, especialmente os três dias reservados para cicloturistar, sob muito calor, do humano e do climático, entre boa companhia, bons repastos, e um grande pão da aldeia que tive de levar para casa no porta couves, recordando ao longo do caminho alguns lugares marcantes da minha juventude. As férias nunca são grandes, são boas! Férias tranquilas, agradáveis e baratuchas, de bicicleta é coisa certa! Ficam as fotografias.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Advertisements

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em marcas do selim com as etiquetas , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Uma resposta a porque as férias nunca são grandes, são boas!…

  1. Pingback: poeira das estrelas | na bicicleta

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s