um eléctrico chamado velho [1]

(Dentro do 22 à espera do 18 para o transbordo de passageiros) 

Li ontem na imprensa que no Porto os eléctricos andam mais cheios. Congratulo-me que este meio de transporte colectivo urbano e tradicional se mantenha em franca actividade. Em 2010, viajaram a bordo das três linhas de carros eléctricos da STCP (Sociedade de Transportes Colectivos do Porto) 390.000 passageiros, um aumento de cerca de 30% relativamente a 2009. Trata-se de um número recorde de pessoas transportadas desde a abertura ao público da Linha 22. O carro eléctrico é um meio de transporte recordado com saudade por muitos tripeiros. É com nostalgia que muitas vezes entro no 22, ao Carmo, atravesso o jardim da Cordoaria, desço os Clérigos, passo na Praça, subo a 31 de Janeiro, Santa Catarina, e desço na Batalha ou nos Guindais.

(Dentro do 22 a descer a Rua dos Clérigos)

A primeira linha de eléctricos da Península Ibérica foi inaugurada no Porto a 12 de Setembro de 1895. Nestes 116 anos, a rede de linhas de eléctricos teve um importante desenvolvimento, cobrindo praticamente todo o território da cidade e chegando aos concelhos limítrofes, a que se seguiu um processo de declínio que, designadamente na década de 80, levou a que este tipo de transporte passasse a ser praticamente marginal. Aos poucos, os eléctricos foram sendo postos de lado, desaparecendo das ruas. Começaram a aparecer os tróleis, depois os autocarros e o metro. Apenas o 18 se manteve em circulação, entre o Carmo e Massarelos, fazendo ligação com a Linha 1 que circula na Marginal do Douro, entre o Infante e o Passeio Alegre. Fica entretanto, e infelizmente apenas pela vontade, o desejo de ver o eléctrico chegar ao Castelo do Queijo, de o 19 voltar a subir e a descer a Avenida da Boavista, e a ligação entre o Infante e a Estação de São Bento pela Mouzinho da Silveira.

(O Turístico outra vez “bloqueado” em frente ao Hospital de Santo António)

O ressurgimento da Linha 22 e a Linha T, a turística Tram City Tour, foram uma mais-valia para a cidade. Costumam dizer, e com razão, que o “velho” torna a cidade mais bonita. Este é um meio de transporte muito agradável, não poluente e arejado, contemplativo, adequado ao turismo e à fruição de importantes espaços paisagísticos do Porto. Permite que as pessoas se movimentem no centro, melhorando a mobilidade e ajudando a retirar os carros dos passeios… quer dizer, isso quando os xôres automobilistas não se lembram de deixar os seu popós sobre os trilhos (o que é recorrente), estorvando ou mesmo impedimento a circulação. Em 2009 esse comportamento desadequado teve como consequência a imobilização dos veículos que totalizou 372 horas, o que corresponde a uma perda efectiva de 647 viagens de carro eléctrico.

(Ali um Audi devidamente “electrificado” com um “bilhetinho” lá para casa)

Para terminar só informar que anualmente o Museu do Carro Eléctrico organiza um belo cortejo com carros eléctricos históricos que desfilam pela linha da marginal relembrando assim o passado.

No próximo poste contarei a viagem mais radical da época da minha inconsciente, ou inconsistente, adolescência, vivida a bordo (!!!) de um eléctrico da Linha 19.

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em 1 carro a menos, motivação com as etiquetas , , . ligação permanente.

7 respostas a um eléctrico chamado velho [1]

  1. Catarina diz:

    >Como gostei do que li… vou aguardar pelo próximo post. Abraço.

    Gostar

  2. ematejoca diz:

    >O texto "Um eléctrico chamado velho (desejo)" também foi muito do meu agrado, e aguardo a segunda parte com grande interesse.

    Gostar

  3. Nanny diz:

    >Não conheço as linhas de eléctrico do Porto, mas conheci bem as de Lisboa e recordo-as com saudade…Ainda vai havendo uma (ou 2, não sei), mas funciona basicamente para turistas, e que passeio…!Beijoca

    Gostar

  4. Teté diz:

    >Bom, sem conhecer as linhas de eléctrico do Porto, sei que em Lisboa também só existe em passeios mais ou menos turísticos, nas zonas antigas da cidade (e nem em todas).Porque a saudade de ver os velhos carros amarelos é relativa: são esteticamente bonitos, recordam viagens de outras épocas em que o stress ainda não abundava, mas são tão lentos e entopem tanto o trânsito…Hoje em dia, tanto quanto sei, são quase exclusivamente utilizados por turistas ou para curtas viagens de reformados residentes nas zonas onde circulam. C'est la vie! 🙂

    Gostar

  5. Laura diz:

    >Olá.Gostava muito de andar de eléctrico, um dia destes desafio a Soledade para irmos as duas por aí na passeata…Ena o carro nas linhas devia ser rebocado, não têm mesmo receio que o elétrico lhes bata e os risque…Um beijinho e diverte-te e conta lá a história dos teus belos tempos.laura

    Gostar

  6. >Também tenho saudades. Ano passado andei no da Marginal e que bem me soube, observar o Douro e o casario através da vidraça de um eléctrico!

    Gostar

  7. >interessante, é bom saber que o antigo também é usado.

    Gostar

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s