quando o sábado chega

Respiro, travo, estremeço… Olho para baixo. Guio o pneu da frente com cuidado, não vá pisar um galho ou um buraco no asfalto. Tenho de fazer mais uma curva. Desço o monte na velocidade possível, condicionado, com um calafrio nas orelhas. Como um falcão que voa na altura certa, flutuo admirando a beleza e o brilho do sol da manhã. O cheiro, o ar fresco e as longas sombras. Às vezes tudo parece se encaixar no lugar. Um galo que canta e que tudo acorda. Os cães que ladram em uníssono, à minha passagem, ecoando no vale. 

Porque eu queria encontrar um local tranquilo procuro as estradas desertas. Mas nem sempre estou só. Percebi o carro que seguia atrás de mim. Instintivamente, defendo a minha posição na estrada. Um pouco mais à frente, num local mais espaçoso, dou sinal e o carro passa, acelerando na sua vibração. Também sou trânsito, de bicicleta, tentando ficar seguro. Isso às vezes não é fácil. Mantenho a pedalada e os pensamentos.

Há mais uma curva, apertada, seguida de outra colina, e esta é íngreme. Já a conheço bem. Engreno a mudança certa para a escalada. Parecia que tinha muita energia, mas não sei porquê estava a perder forças! Então percebi que era fome. Em vez de estar a pensar no almoço, precisava de subir. Continuei. No cimo senti como se alguém tivesse virado a ventoinha na minha direcção. Estou cansado, mas não posso pensar nisso. O suor que transpiro é a minha conquista. A banana que trago no bolso será o meu prémio.

Cruzo pequenas aldeias ao longo do caminho. Muitas vezes penso sobre as pessoas que vivem em áreas remotas. O que elas sacrificam para viver ali. O mais certo é que não sacrificam nada. Vivem felizes. O ambiente pode moldar as nossas visões e opiniões. É muito diferente do que estou acostumado e isso faz-me lembrar o quão agitada é a vida na cidade. Imagino-me a morar ali. No meio da serra, naquela tranquilidade, entre as tonalidades outonais de uma floresta de carvalhos. Só que não, é um eucaliptal, imenso a perder de vista…. O tempo parecia passar de forma rápida. Olho o relógio e lentamente retomo o rumo, de volta para a confusão.

Aquelas nuvens negras, em aproximação, não me parecia nada promissor. Comecei a sentir chuva fina. Ao longe podia ver uma clareira, e eu disse a mim mesmo que talvez tivesse sorte. Foi sol de pouca dura. Vinte minutos depois estava sob chuva constante, e estava contente. Na descida, com o corpo a arrefecer, comecei a pensar se não seria boa ideia me refugiar no café. Não valia o incomodo de parar para vestir a capa de chuva. As minhas roupas já estavam encharcadas e estavam! Acelerei ainda mais para me aquecer. Uma vintena de quilómetros e estava sob chuva forte, o suficiente para parar. E parei, à porta de casa, feliz com a minha pedalada. Ensopado e animado.

Depois da bicicleta pendurada, depois do banho retemperador, não demorou muito para relaxar e entrar no balanço das coisas. Ao ver as fotografias captadas, o filme passa veloz pela minha cabeça, o que faz com que a mente vagueie. Sinto as pernas. Procuro saborear o momento, porque pode se passar algum tempo até sentir isso de novo. Sou optimista e positivo, porque gosto do que faço e qualquer viagem a pedais é tudo o que preciso para a regular o corpo e a mente. Também preciso de um café.

Por que tenho mais tempo no fim de semana para desfrutar do ar livre, viajar, experimentando uma vida simples, um modo diferente, a pedalada vai mais longe. Então, qual vai ser a tua próxima aventura? Já não lhe chamo aventura. Em última análise é para mim um estilo de vida que amplifica a felicidade, a minha e daqueles que me rodeiam. Há algo em nós que anseia por paz e tranquilidade, e o nosso estilo de vida determina como vamos experimentá-lo. Ás vezes uma simples volta de bicicleta pode ser anti climática. É terapêutica. É o antidoto para todos os problemas. Você planeia, organiza e antecipa o dia. Então quando o sábado chega, penso… Ok, vamos lá a isso! A mais uma sessão de terapia.

Advertisement

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em motivação com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

2 respostas a quando o sábado chega

  1. Nelson Branco diz:

    E que boa terapia!

    Liked by 1 person

  2. paulofski diz:

    natural e sem efeitos colaterais (a não ser músculos doridos e um sorriso no rosto)

    Gostar

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s