um fim de semana em cheio

No sábado fui à aldeia, por um caminho duraDouro. Com um brilhozinho nos olhos voltei às curvas pelas velhas estradas património, EN108 e EN222. Se nos primeiros quilómetros para o interior o vale do Douro se apresentava fresco e enevoado, lentamente a manhã foi ficando mais amena e luminosa. A panorâmica ao longo do rio retomou as cores e a brisa foi me trazendo de volta os aromas característicos da primavera. Ao Lugar do Castelo, a pequenina aldeia da minha mãe, levei uma lágrima e a flor, a quem é e sempre foi uma flor. À minha espera os sorrisos calorosos de sempre e um renovado comentário de espanto.

– Vieste de bicicleta e já cá estás? Deves estar com fome!

Na mesa uma valente travessa de massa, tão amorosamente servida pela minha querida Tia Sílvia, sempre preocupada em me alimentar bem. Desta vez não fui para ficar, nem para deixar ficar uma bicicleta. Depois de duas pratadas bem servidas, das cerejas e do cafezinho, um par de horas passadas à conversa para abafar as saudades e digerir o repasto, retomei a estrada em direcção ao Porto. O vento quente já batia forte, de frente, mas eu sabia pró que ia. Sem qualquer senso de urgência teria uma boa mão cheia de horas a pedalar, invariavelmente difíceis, constantemente contemplativas. Parei sempre que tive vontade de fazer uma fotografia, trincar uma bucha e encher o cantil no estabelecimento comercial de Dona Mariazinha com uma mine preta, fresquinha a estalar.

– Então hoje veio sozinho? Olhe que o Moscatel está no frigorífico…

Um aéreo e vinte centimetros por uma garrafinha de Super Bock e duas bananas é fuel low cost, mais barato que um litro da outra super. Ok, não é combustível que chegue para carburar até chegar a casa, mas tem aditivos suficientes para seguir satisfeito. E como cheguei bem à hora de jantar, lá estava a sopinha e um arrozinho de feijão malando que me souberam tão bem como me soube aquele dia. Uma maravilha.

 

No domingo troquei de montada e fui iNBiCLAR numa roda de bicicletas, amigos e cervejas a copo. É que um gajo não anda pedala a àgua!

 

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em marcas do selim, motivação com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

2 respostas a um fim de semana em cheio

  1. Nelson Branco diz:

    Eu confirmo essa passagem na 108… 🙂
    Imagino o calor na estrada, lá para cima o clima estava “bravo”…

    Liked by 1 person

  2. paulofski diz:

    àquela hora a estrada estava a começar aquecer 😛

    Uma vez chegado aquele hot spot tenho de tomar decisões. Ou continuo pela 108 e gramo aquela subidinha para Santa Leucádia ou então desço ao rio para cruzar a ponte para Porto Antigo e calcar a EN 222.

    Qualquer escolha é uma boa escolha 🙂

    Gostar

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s