sobre a reportagem SIC “A diferentes velocidades”

Clicar no link abaixo para assistir à reportagem:

https://sicnoticias.pt/programas/reportagemespecial/2021-11-13-A-diferentes-velocidades-3132a540

Esta reportagem da SIC é sobretudo focada na total impunidade de “automobilistas” que circulam na estrada sem consciência da arma que têm em mãos. A reportagem poderá ter o cliché de “dar medo às pessoas” que pensam vir a utilizar a bicicleta no trânsito. Ora, porque nela são apresentados os mais recentes casos fatais de acidentes rodoviários, que resultaram na morte ou ferimentos graves em pessoas utilizadoras da bicicleta, não implica necessariamente amedrontar ninguém mas em fazer entender que é premente punir esta selvajaria rodoviária, castigar devidamente as acções de quem ao volante coloca em risco a vida de terceiros. Pôr atrás das grades quem provoca o acidente e foge, abandonando o sinistrado.

A meu ver esta reportagem fazia falta. É serviço público e deveria ser de visualização obrigatória nas aulas de código e condução. Até hoje não tinha ainda visto nenhuma outra reportagem, televisiva ou impressa, onde se expõem os reais perigos na convivência entre ciclistas e automobilistas no que à partilha da estrada diz respeito. A questão do ónus da segurança tem de recair no automobilista e não no ciclista. Os comportamentos de risco de quem conduz são muito mais gravosos e mortíferos do que uma casual distração de quem vai a pedalar.

Muita gente diz ter receio em andar de bicicleta no trânsito, no meio dos carros, um temor que os impede de usar a bicicleta como meio de transporte. Esse medo não é totalmente infundado, tenho de admitir. Pedalar acarreta riscos como qualquer outra actividade. Um trambolhão é uma coisa, mas ser atingido nas costas por um caixote de aço com várias toneladas é muito pior.

Do ciclista é esperado o ónus da sua segurança, da preservação da sua integridade física. É esperado que o ciclista se equipe, a si e à sua bicicleta, com os apetrechos adequados. Luzes dianteiras e traseiras para ser visível à noite. O hábito de vestir roupas coloridas ou faixas reflectoras evidência o seu nível de prudência. Usar um capacete é visto como um ciclista consciente. Respeitar as regras de trânsito mais elementares. Mas o ónus da segurança inequivocamente deve incidir sobre quem conduz um veículo a motor. A maior cota de responsabilidade e obrigação na prevenção rodoviária tem de recair sobre o cachaço do automobilista.

Ao automobilista quase tudo é permitido e desculpado. Tudo o que faz de errado é invariavelmente justificável, como uma distração ocasional. Quando acontece o acidente foi porque algo fugiu ao seu controle, desculpam-se. Os cidadãos são liberados de muitas obrigações normais quando estão atrás do volante. Qualquer um pode cometer um erro. Então, quando se trata de prejudicar outra pessoa, especialmente um ciclista ou um peão, nenhum crê que tal lhe possa acontecer.

Não é simplesmente uma questão de automobilistas contra ciclistas. O ónus da segurança também deve ser exigido aos gestores públicos e governamentais. São devidas medidas para tornar as ruas mais seguras, bem como fiscalizar o devido cumprimento das regras de trânsito e punir quem não as cumpre. É algo que deve ser feito para o bem de todos. A culpa e o remorso nunca serão suficientes para devolver as vidas perdidas.

É bastante duro ver os testemunhos destes pais, destes filhos de pessoas que viram ceifada de uma forma brutal a vida dos seus familiares. Só porque estavam a pedalar uma bicicleta! É deprimente ver como a “Justiça” lida com isto. É chocante ver a impunidade dos tribunais para quem mata. É revoltante perceber o “sacudir a água do capote” das seguradoras.

Quanto às baboseiras do xôr Barbosa, mais do mesmo. Declarações absurdas, de uma total falta de carácter, sensibilidade e civismo.

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em motivação com as etiquetas , , , , , , , , , . ligação permanente.

Uma resposta a sobre a reportagem SIC “A diferentes velocidades”

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s