é na boa!

Ainda a pensar que estaria melhor na caminha, estava eu esta manhã estático no semáforo vermelho do Carvalhido a limpar a remela. No canto do olho percebo uma jovem senhora que pára mesmo ao meu lado, tira o rabo do selim e pousa o pé no chão.

Bom dia”! Saúda-me simpaticamente, arreganhando a taxa como que a desafiar-me. Bom dia, retribuo, e tiro-lhe a pinta: Capacete rosa choque, farpela adequada à época invernal, bicicleta urbana xpto, e um par de volumosos alforges…

Mal cai o vermelho para os peões e lá vai ela toda lampeira a pedalar! Mas eu ainda não tinha pressionado o pedal e ela já levava uns bons vinte metros de avanço. Cum carago, fui comido de cebolada. Fiquei pior que estragado e dei ao pedal, suando as estopinhas até a apanhar no semáforo seguinte.

Ahhhaaa… Bem me parecia. A pedalar uma ova! A bateria encapotada no porta-couves  entre o par de volumosos alforges denunciava a caranguejola eléctrica.

Ainda o vermelho iluminava o semáforo, e sem sinais de carros a cruzar a rua, a afoita moçoila voltou a accionar o mecanismo de assistência no arranque e deixou-me outra vez ali plantado, a comer pó. Desapareceu ao fundo na curva, e só depois de um bom esforço extra, quando estava a chegar ao meu destino, é que voltei a recuperar a auto-estima.

Ora, eu e os meus dois ou três leitores, bem sabemos que pedalar é sinónimo de prazer. Prazer por estar a praticar exercício físico, por a bicicleta nos transportar de uma forma activa, livre e recompensadora. Com a bicicleta tem-se uma relação íntima da qual se retira prazer psicológico por todas as sensações que uma boa pedala pode gerar. Às vezes parece masoquismo mas sabe bem uma boa subida para depois, atingido o clímax, descontrairmos na descida.

Já li em qualquer lado que a bicicleta é o equivalente a um consolo na mesinha de cabeceira! Será que a bicicleta com auxílio a motor eléctrico é como aquele selim… o Annie! Um vibrador com sete níveis de velocidade!?

Eu acho que é na boa. Uma bicla eléctrica terá a sua utilidade para quem dela precisa. Para quem vai trabalhar, para quem não quer suar, para quem tem de transpor as subidas sem se cansar muito. As bicicletas eléctricas terão o seu público. Por enquanto apenas sigo pedalando com o motor das minhas pernas, sem algum auxílio extra nem recurso às energias renováveis. Mas que fiquei feliz por ter mais uma parceira do pedal no meu precurso habitual casa-trabalho, lá isso fiquei.

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em ele há coisas! com as etiquetas , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

3 respostas a é na boa!

  1. Nelson Branco diz:

    Embora a reboque de um motor não deixa de ser melhor que as centenas de outros motores que vão poluindo o “vosso” ar…
    Quem não tem cão, caça com gato! ou Quem não tem pernas, pedala com ajuda de motor! 🙂

    Liked by 1 person

  2. Nelson Branco diz:

    Quanto aos leitores… é melhor rectificar o n.º (pelo menos nesta publicação foram 4)

    Liked by 1 person

  3. paulofski diz:

    Eu não sou utilizador de bicicleta eléctrica, mas não poderei afirmar que desta água não beberei. A certa altura quando escrevinhava o postal questionava-me se algum dia irei ter uma eléctrica? Possivelmente! Uma bicicleta eléctrica não é para mim uma necessidade do momento, mas na vida de um ciclista “a sério” quem sabe se não poderá vir a ter a sua importância! As pessoas que geralmente optam por este tipo de bicicleta, normalmente, procuram a conivência de um motor auxiliar para chegar mais longe e superar facilmente uma variedade de terrenos. O princípio é o mesmo e aplica-se a qualquer pessoa que tenha vontade de pedalar, e algum tipo de handicap para o fazer. A bicicleta eléctrica permite disfarçar o peso da idade, o esforço físico, a lentidão, o suor. É e será sempre uma boa opção para manter o compromisso da mobilidade.

    Eu é que não gosto de ficar para trás na grelha de partida 😀

    Liked by 1 person

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s