luzes: boas para ver, precisas para ser visto

luz frontal

As novas tecnologias permitem uma maior oferta de soluções para qualquer tipo de necessidades. As luzes para bicicletas tiveram a sua natural evolução. A cada dia que passa, ao que parece, essas luzes ficam ainda mais brilhantes, e a principal evolução verificada no farol das biclas é a eficiência no recurso à fonte de energia. Da lanterna a carbureto, passando pelo dínamo (que ilumina quando o ciclista começa a pedalar) até à bateria de lítio, da intensidade do brilho ao padrão luminoso, muitos anos-luz já passaram.

Mas há quem utilize a bicicleta em meio urbano e não se ilumine devidamente. Talvez encadeado pela iluminação pública, julga estar seguro porque consegue enxergar por onde vai! Ora, a maneira mais segura de andar de bicicleta à noite é ser-se visto, e para tal deve equipar-se com um bom par de luzes, pois hoje em dia basta ir a uma loja asiática para iluminar a bicicleta. Se o equipamento dura, isso já é outra história! Adiante, as soluções são mais que muitas, há agora no mercado uma vasta gama de opções e a diferentes preços. O recurso às luzes LED tornou-se comum entre os ciclistas. Algumas luzes oferecem mais que um padrão de iluminação e entre as opções, a luz intermitente, o “pisca-pisca” é o mais visto na noite, o que é para alguns automobilistas também o mais irritante! Será!?

Até pode ser que seja, mas uma luz irritante é difícil de não se ver, e esse é o objectivo. Há mais prós do que contras na utilização deste tipo de iluminação. Sob certas condições, onde a bicicleta pode ser difícil de se ver, chamam melhor a atenção de um automobilista para o local onde o ciclista circula. Exemplo de momento onde a luz intermitente é benéfica é quando o ciclista circula em vias congestionadas e a atenção dos condutores está dividida em várias direcções. Em momentos como esses, onde um automobilista não espera ver uma bicicleta, o pisca-pisca das luzes pode significar a diferença entre um automobilista notar a presença de uma bicicleta e perceber o seu movimento, adequando assim a sua condução e evitando o acidente e a evasiva “ah, eu não o vi!”. O piscar das luzes proporciona mais segurança, dando ao ciclista uma vantagem psicológica e criando uma situação em que o automobilista não pode alegar que não viu a bicicleta.

Mas, o que dizer de casos em que as pessoas pedalam em estradas suburbanas moderadamente transitadas e com iluminação deficiente? Será esse tipo de padrão de iluminação necessário em tais cenários? Também é discutível. Sob essas condições, mais do que qualquer outro método de criar visibilidade, ter a bicicleta equipada com um bom foco de iluminação permanente, para enxergar bem a estrada, vestir roupas coloridas e reflectivas, que se destacam sob os faróis de um carro, ajuda um ciclista a ver e a ser visto, chamando assim a atenção de todos. Assim, existe uma vantagem de segurança definida em situações onde uma bicicleta não pode ser vista de outra forma. Tão irritante quanto as luzes intermitentes podem ser, ao usá-las fazem o ciclista sentir-se mais seguro e acredito mesmo que alguns automobilistas admitem que isso também os ajuda. Sentindo-se mais seguros, os ciclistas ficam mais propensos a pedalar à noite.

As fotos no post não serão talvez a melhor representação dessas luzes ofuscantes, a piscar, que se tornaram tão comuns em bicicletas de hoje, mas sem puxar os galões ao semi-profissional da fotografia, este foi o mais perto de capturar o pulsar do led que consegui. Existem vários métodos para tornar visível uma bicicleta, no entanto nunca é demasiado o peso de carregar um par de pilhas ou luzes suplentes, não se vá dar o caso de acabar a autonomia a meio do percurso. Deixando um pouco de lado alguma da estética e do classicismo velocipédico mas aproveitando a solução prática e tecnológica, um bom investimento é este pack de luzes recarregáveis por USB: excelentes para uso diário e intensivo, uma iluminação “para ser visto” mais que suficiente, boa autonomia, resistente à chuva e ao choque, de fixação fácil à bicicleta. É só ligar ao computador esperar 2 horas e estão recarregadas.

luz traseira

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em tecnologia com as etiquetas , , , , , , . ligação permanente.

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s