demasiado sol na cabeça

Estou no ponto mais ocidental do Porto. À minha frente, a calma vastidão do oceano e atrás de mim o passeio do molhe, uma estrutura alongada de pedras e blocos de cimento que para além de ser palco da rivalidade no que à pesca de cana diz respeito, é  também cenário fotográfico do pôr-do-sol portuense e dos rigores do inverno. No momento, é o melhor refugio que encontro para estar, o local mais fresco onde posso chegar na minha bicicleta, em pleno Oceano Atlântico. Não basta o momento quente da politiquice, o país está sob aviso laranja, assolado por uma onda de calor, à mercê dos fatídicos incêndios. Ouvi no noticiário radiofónico que há a forte probabilidade de se baterem todos os recordes. De facto, logo às primeiras horas do dia enquanto pedalava para o trabalho, se sentia um bafo pesado. As primaveras e verões incomuns que se tem vindo a registar nos últimos anos serão talvez o resultado das alterações climáticas e do aquecimento dos oceanos, o que por sua vez, aparentemente, influencia a atmosfera e as oscilações do clima… Não sei! Entretanto, um veleiro em asa de pomba passa mesmo à minha frente e arriba à barra do Douro. Vou apenas tentar apreciar o instante de tudo ao meu redor e refrigerar…

ar de mar

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em motivação com as etiquetas , , , , , , . ligação permanente.

3 respostas a demasiado sol na cabeça

  1. Reconheço essa cosmos! Penso que estivemos à conversa na Velo Invicta há uns dias atrás 🙂 Bom post e blog, que já seguia, mas só agora associei à bicicleta em questão. Cumprimentos

    Gostar

  2. paulofski diz:

    Obrigado António. Sim, recordo bem a nossa conversa. Cumprimentos

    Gostar

  3. Pingback: poeira das estrelas | na bicicleta

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s