rodovias e romarias. Ciclovias? Querias!

Ainda na passada sexta-feira, durante a comezaina pós Massa Crítica, registamos isto e conversamos sobre isto.

Ontem à tarde, no meu regresso ao Porto, desde a Praia da Madalena pela via marítima de Gaia, encontro este cenário. As fotografias são da parte inicial da ciclovia da Afurada. Mais de duzentos metros de uma via dedicada às bicicletas completamente invadida por dezenas de carros abusivamente largados pelos seus proprietários.

Esta confusão de carros no meio da ciclovia, e ainda a procissão não ia no adro, mais à frente uma multidão de romeiros a caminhar pelo meio da rua, teve a ver com os festejos do S. Pedro. Como encontraram dificuldade em achar uma nesga para estacionar a viatura, vai daí decidiram que aquele tapete vermelho lhes era convidativo e… “prontos, os ciclistas que se pirem que não têm nada que estar aqui”!

Além dos veículos da polícia municipal que barravam as entradas para o centro da vila, e outros que segundo as autoridades seriam “os únicos autorizados a passar”, dezenas de automóveis invadiram passeios e ciclovia sem qualquer restrição, pondo em risco a segurança de quem passava a pé ou de bicicleta.

Se existisse uma verdadeira fiscalização por parte da policia municipal o problema resolvia-se facilmente. Enquanto isso não acontecer, as ciclovias não servem para nada, a não ser para complicar a vida a quem quer utilizar a bicicleta. O que precisávamos mesmo eram uns quantos Arturas Zuokas para esmagar estes empecilhos.

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em ele há coisas! com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

2 respostas a rodovias e romarias. Ciclovias? Querias!

  1. Pingback: textos de Marcos Paulo Schlickmann [18] A estigmatização da bicicleta | na bicicleta

  2. Pingback: 18 – A estigmatização da bicicleta | Transportação

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s