sunday, lovely sunday

Estando eu acompanhado da minha gOrkinha, a fiel companheira dominical para uma ou outra pedalada mais vigorosa, o convite do Ricardo  deixado no FB para pedalar até Espinho numa tarde tão primaveril, até para ajudar a digerir o magnífico repasto caseiro, caiu que nem sopa no mel… vá se lá perceber a expressão!

Assim, fui ao encontro do Ricardo com o tranquilo oceano e um ventinho saboroso como companhia. Apanhado o cicloturista dou meia volta e lá seguimos serpenteando por magotes de gente que passeava distraída ao sol na ciclovia marítima de Gaia. A elegante Sophia ia atraindo os olhares de todos com quem cruzávamos e caso não olhassem com atenção, logo o Ricardo os alertava para a nossa passagem, tlintando a potente campainha da Velorbis e pregando uns valentes sustos ao pessoal. “Ei! Vejam lá se não cabem!!!”.

Não se entende como há pessoas que preferem o pára-arranca típico dos chamados dias úteis, em passo de caracol engarrafado nos carros sob este magnífico sol, quais estufas entupidas na marginal. Em certos locais mais parecia hora de ponta, e a larguíssima ciclovia de Valadares ali tão convidativa! Enfim, ainda dizem que a gasolina está cara.

Na Granja só mesmo o Alfa para nos obrigar a parar e, vai daí, aproveitei para um retrato ao boneco. Cancela aberta e bute circular um pouquinho pela barafunda da N109. Depois de gramar a pastilha no meio de outro engarrafamento masoquista, logo, logo, virámos  no Hotel Solverde e foi só aproveitar a ciclovia para Espinho e gozar a nortada que nos empurrava suavemente. Ponto de viragem na Rua 2, para relaxar na esplanada do Barco Boador e recarregar energias com cafeína e vistas desafogadas para o mar. À conta de olhares curiosos e comentários que se percebiam em surdina, não hajam dúvidas que a bicla do Ricardo era a sensação da tarde.

Há já um bom par de décadas, quando o meu país me chamou para prestar serviço militar (cof cof), passei um ano inteiro a conduzir um Unimog pelas ruas perpendiculares de Espinho. Como tal, conheço bem o seu emaranhado de arruamentos numerados e o percurso ideal para empreendermos o regresso seria pela Rua 23. A surpresa foi a certa altura perceber pela sinalização vertical que essa rua tem uma ciclovia, uma ciclofaixa, ou melhor uma oculta ciclopseudocoisa, e digo oculta porque na quase totalidade da sua extensão a rua estava ocupada por carros abusivamente estacionados.  What´s the news! (agora ao cuscar o Google Maps é que me apercebo que esse comportamento deve ser rotineiro).

O regresso foi calminho, pernas rijas e pulmões arejados pela maresia. Eu fiquei na Madalena e deixei o Ricardo a pedalar sozinho até ao Porto, mas como quem usa a bicicleta arrisca-se a encontrar um ou vários amigos a cada esquina, ou melhor, a cada pedalada, parece que a sua pedalada solitária foi por pouco tempo.  Ao que me foi dado saber, algures no seu regresso o Ricardo encontrou o Levi, a Duendedri e a Elisabete 🙂

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em o ciclo perfeiro com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s