a bicicleta através da lente fotográfica

Já mereceu referência na comunicação social e na bicicultura. Hoje trago para aqui a reportagem publicada há alguns dias no JPN.
E tu, se ainda não foste captado pela objectiva do Sérgio, um dia, quem sabe, enquanto pedalares pelas ruas do Porto, poderás ser o próximo ciclista urbano no seu rolo fotográfico.
 
Ciclistas urbanos são os modelos fotográficos de Sérgio Moura
Foto: Tânia Monteiro
Por Katherine Oliveira e Tânia Monteiro – jpn@icicom.up.pt
Publicado: 13.04.2011 |

Desde sempre que a fotografia apaixonou Sérgio Moura. Apesar dos estudos terem comprometido essa paixão, a “panca” pela fotografia persistiu para mais tarde formar o conjunto perfeito com o gosto do fotógrafo pelas bicicletas.

Sob rodas e com a câmara ao pescoço, foi assim que Sérgio Moura chegou ao Jardim da Cordoaria. Tinha acabado de fotografar um avô e o neto que passavam de bicicleta.

Apaixonado pela fotografia desde muito cedo e ciclista desde a adolescência, Sérgio Moura percorre as ruas do Porto à procura do ciclista urbano. “Olho para um ciclista e parece-me que está nos seus afazeres diários, que podem ser ir ao café”. O fotógrafo tenta ser “generalista” e “mostrar que a cidade é ‘ciclável’ por todo o tipo de pessoas, vestidas de todas as formas, de todas as classes sociais e etárias”.

Para Sérgio Moura, a abordagem às pessoas é muito simples: “é só explicar o projecto, porque se cria uma certa empatia por sermos ciclistas que se vêem na mesma situação, nesta cidade um pouco agreste”. Assim, as pessoas têm aceitado posar para a fotografia porque têm “orgulho em mostrar a sua bicicleta”.

Na hora de optar entre o analógico e o digital, Sérgio Moura não hesita na escolha do analógico, “tanto pelo resultado” como pela “relação com as máquinas”, conta. Essa relação tem-se tornado um “hobby obsessivo” para este fotógrafo, arquitecto de profissão.

Ver mais pessoas a andar de bicicleta

Apesar de começarem a ser alguns os ciclistas urbanos, Sérgio Moura confessa que gostava de ver “mais pessoas a andar de bicicleta em Portugal”.

O fotografo possui uma moto mas, mesmo assim, destaca que andar de bicicleta permite não só “aliar muitas vantagens num só veiculo” como também “é uma forma mais eficiente para se deslocar na cidade, em termos de rapidez, custos económicos, ecológicos”. Sempre que pode, a bicicleta é o seu meio de eleição.

Sérgio Moura lembra os costumes de aldeia, onde era possível ver senhores que “sempre usaram a bicicleta e que continuam a usar” e espera que, num futuro próximo, as gerações mais novas passem a adoptar a bicicleta como meio de transporte diário.

Para promover a utilização da bicicleta e a comunidade de ciclistas urbanos, Sérgio Moura decidiu criar o blog “De bicicleta no Porto“. Para o fotógrafo, “às vezes, a imagem vale só por si e consegue transmitir o gosto pela fotografia e pela bicicleta”.

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em motivação, testemunho com as etiquetas , . ligação permanente.

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s