entre a compaixão de quem envelhece ao volante, a ignorância dos pobres de espírito e a admiração pelos que pedalam contra ventos e preconceitos

Depois de ler esta “crónica” do Rafael Barbosa, editor executivo do Jornal de Notícias, vi a luz. Estive por estes dias a pensar e cheguei à conclusão que ando há anos a fazer isto mal! Afinal, “isto” é coisa de pobre! Isto de dar voltas e voltas aos pedais, enfrentando automobilistas e a chuva, exposto ao frio e ao sol abrasador, suando nas subidas, apanhando mosquitos nas descidas, ao vento, com lama nos pés e merda de pássaro no capacete, para chegar cansado e esfarrapado pelos tombos… Ando eu aqui a levar uma vida de pobre assim, me desapegando de tantas coisas boas da vida, como o quentinho da sofage, do ar condicionado, dos cavalos potência, do cú tremido! Que pai sou eu que deixa o filho sair à rua a pedalar para a universidade, coisa que faz desde os tempos da escola secundária, o que irão pensar de mim, meu deus! Que mau exemplo.

Bom, não vou negar que quem tem um carro velho, com quinze anos, estacionado na rua, e opta por uma bicicleta para se deslocar, de e para o trabalho, a fim de economizar na gasolina e no estacionamento (afinal de contas o preço do metro e do autocarro também não é barato) é porque tem um poder aquisitivo baixo, ganha mal e não se pode dar a luxos, não é mesmo? Por outro lado, usar o dinheiro que desperdiçaria com a gasolina poderia ajudar este pobre coitado a comprar comida no final do mês. Só que eu pensei em algo diferente, e só quem pode e junta um dinheirinho, pois que a pode comprar. A felicidade.

A bicicleta nos ensina que são as pequenas coisas que nos trazem a felicidade do dia-a-dia. E a felicidade também se compra, custa algum dinheiro, dinheiro que se poupa, na gasolina e no tempo, dinheiro que se gasta em manutenção e acessórios, ou na compra de mais uma bicicleta, que também não são nada baratas. Não quero dizer que o ciclista se contente com pouco. Longe disso! Mas digo que nós, os que entendemos bem o uso da bicicleta, não nos apegamos a coisas que nos trazem dor e sofrimento. Não nos apegamos a coisas que nos tiram a paz de espírito, e qualquer coisa que para muitos pode parecer uma criancice. Para nós ciclistas é algo muito agradável e maravilhoso: passear, trabalhar, divertir, viajar, conviver, entre muitas outras coisas.

Se perguntar a uma pessoa que trocou o carro pela bicicleta, para a sua mobilidade diária, como é que se sente hoje, certamente lhe dirá que se sente menos stressado, sente o tempo mais bem gasto e vê a vida com outros olhos. Nesta sociedade de consumo, onde o valor material tem um carácter muito mais fortuito do que essencial, fazer da bicicleta uma opção das nossas vidas não nos faz mais pobres. Podemos até ter o melhor carro, a maior casa do bairro, viver das aparências, coisas que só nos dão preocupações, a bicicleta pode ser, e é, a mola propulsora do sistema para uma melhor qualidade de vida. Dizer que “andar de bicicleta é coisa de pobre” é um preconceito descabido e retrógrado, de quem é de facto pobre de espírito, de quem sobrevive na bolha do popó, congestionando as ruas e as próprias coronárias. Deixa-te disso pá, desembrulha, pedala, sente a chuva na cara, sente o vento na pele, aprecia a paisagem à volta e a alegria de viver.

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em ele há coisas! com as etiquetas , , , , , , , , , , . ligação permanente.

2 respostas a entre a compaixão de quem envelhece ao volante, a ignorância dos pobres de espírito e a admiração pelos que pedalam contra ventos e preconceitos

  1. Nelson Branco diz:

    Coitadinhas das criancinhas da Holanda, da Dinamarca, da Suécia e mais uns quantos países que estão condenadas a invernos mais rigorosos e temperaturas mais extremas, coitadinhas dessas crianças, a grande parte, com poder de compra superior a qualquer português mas que optaram por uma forma de vida saudável, sustentável e mais agradável…
    Não sei se ele perguntou, ou se alguém poderia perguntar ao filho que ia ali no quentinho… se não preferia a aventura, a adrenalina, de viajar para a escola, vendo, sentindo de forma diferente, se calhar este comodista ou acomodado ficaria surpreso com a resposta!!!
    Às vezes é difícil explicar que andar de bicicleta não é uma questão de dinheiro… mas um modo diferente de olhar a vida.
    Abraço e boas pedaladas.

    Liked by 1 person

  2. paulofski diz:

    Resumindo é uma questão de mentalidades, ou da falta de metalidade para sair da caixa. O pobinho está mal habituado mas acredito que isto aos poucos vai lá. Enquanto percistirem alguns preconceitos, atiramos com o exemplo dos nórdicos para que sirva de exemplo. É como diz a Joana em “se cá nevasse andavamos mais de bicicleta“, libertem as crianças e andem mais de bicicleta.

    Gostar

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s