efeito “dooring”

nem sempre a “door zone” ficá à esquerda dos automóveis

É costume dizer-se que “quem anda à chuva molha-se”. Nas ruas, estradas, ciclovias, até no mar flat da costa mediterrânica, todos corremos riscos, todos estamos expostos às circunstâncias e sobretudo podemos ser eventuais vítimas da imprudência dos outros. Nestas duas semanas e tal de ano novo a pedalar já é a segunda vez que me atiram ao chão, literalmente. Este 2012 não me tem corrido nada bem! Se no dia de ano novo foi vitima da imprudência de um jovem ciclista que repentinamente surgiu a pedalar contra mim na ciclovia da Foz, desta feita uma jovem passageira abriu naturalmente a porta da furgoneta mas no preciso instante que eu passava ao lado dela. Resultado, mais um estatelanço ao comprido e umas nódoas negras para a colecção.

Se um dos maiores perigos para os ciclistas é colidir contra uma porta de um automóvel estacionado que se abre mesmo à sua frente, normalmente a porta do lado do condutor, esta manhã percebi que o perigo pode também surgir do outro lado, do lado do passageiro, e quando menos se espera, ou seja, quando passamos junto a uma fila de carros parados mas prontos para arrancar ao semáforo verde. Tudo bem, felizmente a colisão com aquela imensa porta foi mais de raspão, pus-me de pé, sacudi o esqueleto para verificar se ainda tinha os ossos todos no sítio, chequei as articulações, as minhas e as da bicla, se funcionavam e só então prossegui viajem. Vendo bem até que estou em maré de sorte!

De acordo com John Forester, o “Dooring” é responsável por cerca de oito por cento de acidentes com ciclistas. A maioria destes acidentes ocorrem quando os motoristas, ou no caso de ruas de sentido único de seus passageiros, não adoptarem medidas de prevenção, não perdem alguns segundos para olhar antes de abrir a porta e se certificar de que não há algum veículo a aproximar-se – incluindo bicicletas. Todo o cuidado é pouco, devemos estar bem atentos às portas dos veículos estacionados mas de todos, mesmo os que tenham o motor a trabalhar.

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em ele há coisas! com as etiquetas , , . ligação permanente.

2 respostas a efeito “dooring”

  1. Nanda diz:

    Paulo cuidado olha que não há duas sem três
    Beijinhos.

    Gostar

  2. paulofski diz:

    Toc, toc, madeira, madeira… espero bem que não haja mãe 🙂

    Gostar

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s