ao sabor da corrente

Esta semana vou dar cor às palavras que vadiam pela minha mente, com imagens por mim retidas e que simplesmente as quero partilhar.

(Jardim do Parque da Prelada)

O final de tarde convidava-me para sair, com a minha máquina fotográfica, e sentir o pulsar da cidade. Sentir uma paz e tranquilidade assim de improviso! E como eu gosto de pedalar (é um prazer, sabiam?), não há nada melhor do que sair de casa e apreciar o tempo, esquecendo tudo o resto, até a hora de ponta, ao rumo dos Jardins de Outono.

(Jardim da Praça da Galiza)

Há quem diga que é cinzenta! Talvez, se assim a quiserem ver…. Mas, como podem? Será que já a percorreram quando a luz outonal realça os cinzentos do granito, branqueia o sujo das paredes, vermelha os enegrecidos telhados e amarela as verdes folhas caídas das árvores? É… como magia! É como dar cor às palavras.

(Jardins do Palácio de Cristal e vista sobre o Douro)

E podia dar cor às palavras chegando aqui a pé, pois podia, mas prefiro pedalar e chegar mais longe, quase voar, pelo prazer e pela sensação de paz e liberdade que me dá. Permitam-me então desenhar palavras, improvisar imagens e, com elas, voar!

(Jardim do Carregal)

Porém, infelizmente há quem não tente nos ignorar, e buzina-nos ao ouvido apenas porque vivem apressados e nos querem passar. Todos nós funcionamos por entre outros, guiados pelo egoísmo e satisfação das vontades imediatas. Resmungam, não abrandam e perdem pequenos momentos de paz e de felicidade. Perdem sabores.

(Jardim da Cordoaria)

E ter prazer é saborear. É sentir forte o vento de Outono que é morno, ao natural e sem aditivos. É saborear com os sentidos. Saborear com a visão, com o olfacto, com a audição, com o gosto e com o tacto. Degustar os cinco sentidos, com as sensações e emoções. Saborear com o olhar da cumplicidade ou simplesmente olhar! Olhar a cidade e as pessoas com um sorriso.

(Jardim de Massarelos)

Saborear com a língua mil e uma palavras que gostaria de falar, algumas delas doces, outras amargas, de sabor salgado, adocicado. Saborear com as mãos, acariciar, moldar as imperfeições, tocar ao de leve, num gesto meigo, a paisagem com a ponta dos dedos.

(Jardim do Passeio Alegre)

É saborear com o nariz, o cheiro da terra. O cheiro da brisa que o mar oferece. O cheiro de um café fresco. O cheiro da pele que vadia pela minha mente, simplesmente porque penso nela, e saborear assim é deixar-me com água na boca.


(Jardim da Praia do Molhe) 

Saborear com os ouvidos, as melodias de que mais gosto, o som das palavras, da água que corre e da música que toca. O som dos silêncios e dos barulhos maravilhosos que dançam por entre as árvores.

(Parque da Cidade)

Saborear com todos os sentidos esta luz de Outono que lentamente se despede, e só porque o Sol tinha sono!

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em fotopedaladas, motivação, passeio com as etiquetas , , , . ligação permanente.

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s