can’t miss [206] facebook.com/Gasto-Meu-Salário-Com-Bikes

Andar de bicicleta

“Um dia vou ficar velho e não poderei mais conduzir a minha bicicleta e ela vai ficar na minha garagem como um troféu das minhas memórias.
Conheci pessoas com o mesmo espírito, as quais me ensinaram alguma coisa, conheci outras que fico feliz por tê-las esquecido.
Algumas vezes me molhei, passei frio, senti calor e medo, caí e levantei, às vezes me feri.
Mas também sorri muito dentro de um capacete.
Falei inúmeras vezes comigo mesmo, cantei e gritei como um louco.
Sim, houve vezes em que eu chorei.
Vi lugares maravilhosos e tive experiências inesquecíveis.
Encarei curvas, daquelas que nem eu mesmo sei como saí inteiro e depois estive em outras mais perigosas.
Parei mil vezes para observar uma paisagem e falei com desconhecidos, me esquecendo daqueles que vejo todos os dias.
Rolei com meus irmãos e voltei para casa com paz no meu coração.
Toda vez pensei que seria perigoso, mas sempre tinha presente que o significado de ser corajoso é avançar ainda tendo medo.
Toda vez que eu monto na bicicleta penso como é maravilhoso tomar um caminho, muitos deles sem um destino traçado.
Parei de falar com quem não entende e aprendi a me comunicar com gestos… todos nós os entendemos!
É muito verdade: não é um meio de transporte confortável, não é um pedaço de ferro com duas rodas, mas sim a parte perdida dos meus sonhos e espírito.
Há aqueles que dizem que para ser uma pessoa mais séria teria que parar de andar de bicicleta.
Não respondo, só sorrio e penso: para aqueles que não entendem, nenhuma explicação seria suficiente e para aqueles que entendem… nenhuma é necessária!
É impossível explicar e falar de paz e liberdade a quem nunca pedalou. Andar de bicicleta… só sabe quem pedala,
Um feliz dia para todos os ciclistas que vivem esta “loucura”.”

De um modo sucinto, é aquilo o que sinto… Viver.

(fonte: https://www.facebook.com/157875931084373/…)

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em can't miss it com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s