o Camisola Amarela

O Tour de France do ano que vem vai celebrar o centenário da camisola amarela. A camisola mais icónica do ciclismo.

Em 1919, o amarelo foi a cor escolhida para vestir o líder da prova, e a camisola amarela tornou-se no símbolo mais icónico do ciclismo mundial. Ao longo destes cem anos, a camisola amarela deixou a sua marca também noutras provas. Foi adoptada em vários países como o símbolo do vencedor das suas corridas nacionais. Esta peça do vestuário velocipédico experimentou de tudo, as maiores façanhas, os maiores campeões, as maiores mentiras. Muitos ciclistas tiveram a honra de a usar, mesmo que fosse apenas por um dia, para no final da etapa a ter de entregar a outro.

“Lá vai o Camisola Amarela”

O amarelo é uma cor que se destaca melhor do que qualquer outra, na poeira, no nevoeiro, na multidão. Evidencia o líder da prova no meio do pelotão. A equipa defende-a, guarda e protege o líder com unhas e dentes. Controla as corridas, nas montanhas, nas fugas, repelindo os ataques dos adversários até ao derradeiro esforço do sprint em cima da meta.

O “Camisola Amarela” demonstra a sua valentia e honra a camisola que veste.

Presto assim a minha homenagem a Joaquim Leão, antigo ciclista do pelotão nacional e que envergou a camisola do F.C. Porto. Faleceu ontem, aos 75 anos.

Joaquim Leão venceu a prova rainha de Portugal, a Volta em 1964, a clássica Porto-Lisboa em 1966, entre vários títulos, nomeadamente seis, de campeão nacional de estrada. Teve participações no Tour e na Vuelta, onde por cinco vezes se classificou no top-ten.

A camisola amarela com que Joaquim Leão venceu a Volta a Portugal está exposta no Museu do Futebol Clube do Porto, perpetuada como a Amarela do Adamastor.

Anúncios

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em bici'stória com as etiquetas , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s