sol na cabeça [1]

Para lá da cidade há uma longa e sinuosa estrada à nossa espera. Pedalar num lugar isolado traz uma sensação de paz que raramente se sente em outro lugar. Sem carros à vista, a bicicleta rola preguiçosa, num caminho tortuoso a um ritmo relaxante. O poder da corrente combinada com a energia dos músculos cria um corpo em movimento composto por um mortal e uma máquina. É um momento em que o ciclista e a bicicleta se fundem num só. É a Natureza que liberta, são sentidos que despertam, pensamentos e memórias de lugares distantes, de tempos passados que passam fugazmente como cenas de um filme intemporal. Flutuando através de um microcosmos para lá do tempo e do espaço, girando numa órbita através da eternidade, cortando o ar e deslizando por um espaço sideral. Não é apenas o ar audível acima da cabeça, do vento zumbindo através das aberturas do capacete. É o som do coração que bate, do ar exalado pelo fôlego, do canto metálico do pinhão que espera girar. É o movimento ao longo de uma linha invisível criada pelo equilíbrio perfeito.

About these ads

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em o ciclo perfeiro com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s