onde há um ciclista há um amigo

Quem se aventura a pedalar estrada fora entende muito bem o verdadeiro sentimento da amizade. Os ciclistas são duros e delicados ao mesmo tempo. São fortes para aguentar a dureza das distâncias, as contrariedades do clima e da estrada. Na sua resiliência, calejados que são na vivência sobre o selim de uma bicicleta, são susceptíveis ao cansaço, ao sofrimento, às quedas e à superação dos desafios. Qualquer que seja a classificação, a lentidão, o tempo que demoram a transpor a montanha, todos são vencedores. Enquanto pedala, o ciclista tem tempo para pensar, reflectir, imaginar, sentir o que o rodeia porque a velocidade da bicicleta assim o permite: o suor, a respiração, a batida do coração, a explosão, a audácia que concede o desejo. Perto de si poderá estar um adversário. Na sua roda trazer um colega de equipa. À sua frente vai um amigo que o auxilia. Qualquer ciclista é um verdadeiro amigo, que entende, que espera, que motiva, que acompanha, que dá, que incentiva, que ajuda…

Nas minhas longas pedaladas existem muitos momentos em que sempre estarei sozinho. Não há um companheiro, um familiar, ninguém por perto. São quilómetros de pedaladas em solitário. Só eu e a bicicleta! E a dado momento, o pensamento corre depressa e até parece que dou em doido. Dou comigo a conversar com ela, porque se há alguém que nos compreende nestes momentos de solidão é a nossa bicicleta. Para alguém que não entenda, na solidão da estrada temos de confiar na bicicleta, naquela que nos leva, que nos restitui o rumo, na ferramenta da nossa liberdade, da maior liberdade que podemos ter. Estranha estrutura construída de forma simplificada e que nunca será ultrapassada. Possessiva e ao mesmo tempo serva. Fiel depositária das nossas energias. Veículo popular em que posso encontrar um qualquer amigo e que me poderá acompanhar, pedalar ao meu lado e não me deixar sentir sozinho.

About these ads

Sobre paulofski

Na bicicleta. Aquilo que hoje é a minha realidade e um benefício extraordinário, eu só aprendi aos 6 anos, para deixar aos 18 e voltar a ela para me aventurar aos 40. Aos poucos fui conquistando a afeição das amigas do ambiente e o resto, bem, o resto é paisagem e absorver todo o prazer que as minhas bicicletas me têm proporcionado.
Esta entrada foi publicada em o ciclo perfeiro com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

4 respostas a onde há um ciclista há um amigo

  1. Anónimo diz:

    Palavras sábias que subscrevo na totalidade.O amigo da foto tem ou yinha “pinta” principalmente na escolha dos companheiros de pedal.Amanhã pedalamos?

  2. Rui M. diz:

    Quando esse amigo te vira as costas é apenas a pedir que o sigas e artilhes o caminho…

  3. paulofski diz:

    Pedalamos todos os dias amigo Anónimo.

  4. paulofski diz:

    … seguir na tua roda e não me deixar ficar para trás. ;)

apenas pedalar ao nosso ritmo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s